ADMIRE, MAS NÃO SE DEIXE IMPRESSIONAR

Admirar é mirar com atenção. E quando se mira com atenção, a gente é capaz de ver coisas que o nosso olhar apressado não enxerga. Viaja mais quem viaja com olhos de admiração, produz melhor quem produz com olhos de admiração e ama bem mais quem ama com olhos de admiração.

Admirar é saudável, mas… não se deixe impressionar. Dizer “fiquei admirado” é diferente de dizer “fiquei impressionado”. A admiração sempre é boa, mas a impressão pode ser positiva ou negativa.

Continue lendo

QUEM VOCÊ PENSA QUE É?

Antes de mais nada, é bom saber: você está onde deveria estar. Pode parecer estranho que eu lhe diga isso. No livro “O Velho e o Menino”, recomendo uma viagem de busca ao invés de fuga. Uma jornada de peregrino, não de turista. Viagem, busca e peregrinação sugerem movimento e, então, me contradigo: você está onde você deveria estar, ou seja, não há para onde ir.

Acontece que você resolveu parecer mais do que ser. Passou a acreditar que é outra coisa, inventou uma identidade distinta da real, desenvolveu uma segunda personalidade. Perdeu de vista a sua primeira intenção e a substituiu por segundas intenções. Por que deixou de ser quem é para dissimular, aparentando quem você não é?

Continue lendo

ABENÇOADA PEDRA NO SAPATO

Às vezes, não se sabe de onde, uma palavra não muito usual surge em nossa mente. Isso acaba de acontecer comigo e a que emergiu foi “escrúpulo”. Fiquei surpreso vendo-a se apresentar, sem pedir licença.

Gosto do étimo e fui investigar. Do latim, scrupus significa rochedo e tem como diminutivo scrupulus, que quer dizer pedra pontiaguda. A descoberta aguçou ainda mais a minha curiosidade. Notei que o sentido se estende para dificuldade, inquietação, incômodo. Ao descrever o desconforto causado pelo contato da pele com uma pedra pontiaguda, os antigos romanos o assemelharam à uma inquietação ética. Foi aí que a palavra ganhou o seu espaço mais na esfera moral do que material.

Continue lendo

DESILUDA-SE!

Trabalho com empresas e negócios. Por meio de um processo denominado metanoia, parto do princípio de que mudança de verdade só se faz a partir da expansão de consciência. E o raciocínio é lógico: nenhum líder leva a sua empresa para um estágio onde a sua consciência ainda não chegou.

A ajuda de consultores até pode levar uma empresa para um estágio mais avançado, mas mantê-la aí vai depender do líder que a conduz no dia-a-dia. Se a consciência dele não evoluiu, inevitavelmente a empresa vai regredir ao estágio anterior, a menos que se mude o líder. Essa é uma das razões para que haja tantas frustrações dos contratantes quando recorrem, sem sucesso, a consultorias, sejam particulares ou corporativas.

Continue lendo

ALÉM DO TRIVIAL

Desculpe a trivialidade da frase, mas o mundo está em constante mudança. E aqui vai outra igualmente corriqueira:  a única coisa permanente é a mudança. Embora tão banais, são verdadeiras. Como um rio que persiste em seu movimento, também a vida flui incessantemente. Às vezes até gostaríamos de congelar o momento na ilusão de que se eternize, mas isso não é possível. Maré alta, maré baixa se sucedem e não há como evitar. Quem tem a necessidade de controlar o indomável sofre muito com isso tudo.

Resistência à mudança é um tipo de medo – o de perder alguma coisa.

Continue lendo

O PERIGO DA SEGURANÇA ACIMA DE TUDO

Segurança parece ser uma palavra muito poderosa. Em tempos de pleitos políticos, ela ocupa um espaço amplo, a ponto de concentrar tantas atenções que outras, mais importantes e vitais para a vida da população, fiquem de fora das conversas.

Quando se vende o peixe da segurança, passa-se a temer e a evitar a insegurança a ponto de instalar no imaginário da população a crença de que seja infinita.

Continue lendo

PIOR DO QUE NÃO TER TEMPO, É TER TODO O TEMPO DO MUNDO

“O tempo voa!” é uma frase muito repetida por aí. De fato, quando vejo o dia chegar ao fim, noto o quanto realizei, mas me espanto com o que ainda ficou por fazer. Não cabem em um dia de 24 horas todos os projetos e desafios que é preciso implementar, dos pessoais – sono, atividades física e espiritual, alimentação, leituras etc. – até os relacionais – contatos, convívios, conciliações com parentes e amigos –, incluindo os profissionais –, reuniões, criações, produções e muitos mais. Como fazer tudo e bem feito nas parcas 24 horas?

Continue lendo

A ÉTICA TAMBÉM PODE SER INCOERENTE

Sócrates, passeando nos arredores de Atenas, com Glauco, irmão de Platão, escutou dele uma história. Era sobre um pastor que havia encontrado um anel e, ao colocá-lo no dedo, percebeu que se tornara invisível aos olhos dos outros. Ambos, então, seguiram filosofando durante longas horas sobre os desdobramentos éticos dessa história. Nenhum dos dois, no entanto, deu-se conta de que as mulheres e os escravos eram invisíveis na Grécia. Veja como a ética, mesmo entre seus precursores, também pode ser incoerente e sectária.

Se até o venerável Sócrates era vítima de suas miopias, quanto mais nós, seres comuns, ocupados com as miudezas e as mesquinharias do cotidiano, sem tempo para filosofar. Nessa vida mais de reação do que de reflexão, deixamos de enxergar muitas coisas, vítimas de nossa cegueira.

Continue lendo

O HERDEIRO

No mundo das empresas, o tema é sempre importante e urgente: a sucessão empresarial. Lido com empresários que anseiam um processo sucessório exitoso, preferencialmente para algum de seus filhos. Destinei o livro “O Devir” a esse tema, mas, aqui, recorro à mitologia grega, sempre rica nas analogias e metáforas, além de atemporal e universal.

Em Atenas, Dédalo era um empreendedor muito criativo. Sua fama se estendia por toda a Grécia. Os reis compunham seu rol de clientes e não vencia de atender a tantos pedidos, geralmente estátuas para embelezar palácios. Talo, um de seus colaboradores-aprendizes, para a inveja do mestre, de tão talentoso, conseguiu inclusive superá-lo. Talo inventou o torno, o serrote, o compasso e seu gênio criativo parecia não ter limites.

Continue lendo

PARA QUEM AMA A VIDA

A vida abomina o vazio, pois leva a desequilíbrios e manipulações. Ocupações e coisas não essenciais preenchem o tempo e roubam a atenção do foco em que deveria se concentrar. No vazio, predominam as crenças, as suposições e as superstições. Uma vida oca e inconsistente. A boa notícia é que ela pode ser mais!

Consistência depende de conteúdo, de centralidade, de eixo. Um mastro firme que vai impedir o barco de ficar à deriva ao sabor dos ventos e tempestades. A vida precisa de algo que lhe dê firmeza. E que siga uma ordem natural.

Continue lendo